Entenda de uma vez por todas como funciona blockchain

Poucas pessoas sabem como funciona blockchain, existem dúvidas e questões que precisam ser respondidas. Para começar, ela surgiu em 2008 como código fonte original do bitcoin. Como as moedas virtuais não dependem de bancos para circular, era preciso desenvolver uma forma de registrar todas as movimentações de forma segura.

Muitos acreditam que ela vem para revolucionar, não só o setor financeiro — que tem mais experiência com o sistema e já possui estudos para aprimoramento, mas também as áreas de saúde, direito, e-commerce etc. Graças à possibilidade de trabalhar em um ambiente onde a adulteração de qualquer informação ou processo é praticamente impossível.

Mesmo sendo visto com um caminho sem volta, a utilização do blockchain ainda causa estranhezas nos empresários e precisa de alguns aprimoramentos para crescer. Muitas das dificuldades encontradas para aceitar a nova tecnologia está na confusão na hora de entender como ela funciona e quais suas vantagens.

Por isso preparamos esse texto para explicar de forma fácil o que é o blockchain, como ele pode ser tão seguro e quais os desafios que a tecnologia está enfrentando. Acompanhe a leitura com a gente!

Afinal, o que é blockchain?

Antes de definirmos de forma clara como funciona blockchain, devemos entender o que é blockchain. De forma técnica pode-se definir como uma engenharia computacional desenvolvida inicialmente para o mercado de bitcoins, mas que já é utilizado por outros sistemas de várias áreas. Como o próprio nome sugere, ele é formado por uma cadeia de blocos onde cada um possui uma série de informações trancadas por meio de criptografia altamente segura.

Imagine um banco de dados comum que é alterado por apenas uma empresa. O sistema é todo centralizado e tudo depende da validação apenas de um ponto, sistema da academia por exemplo.

Como funciona blockchain?

O blockchain funciona diferente, é um banco de dados em que várias empresas podem escrever e acrescentar informações. Ao mesmo tempo, tudo precisa ser validado pela cadeia e não por um ponto apenas, descentralizando todo o processo.

Ainda ficou confuso? Vamos imaginar que você deseja abrir uma nova conta em outra instituição bancária. Para isso é preciso levar os documentos, comprovantes e passar pela mesma burocracia novamente. Agora imagine se todas essas informações e dados ficassem registrados em um banco de dados comum para todos.

Qualquer alteração ou criação de uma nova conta ficaria registrado em todos os computadores do sistema e qualquer empresa seria testemunha das ações praticadas. Dando mais veracidade e confiabilidade para as atualizações, transações, alterações, cancelamentos etc. Uma cadeia imutável, impenetrável e inquestionável.

Quais as vantagens desta tecnologia?

Utilizar a blockchain traz muitas vantagens e entre elas está histórico completo de todos os processos. Como se pudéssemos acessar todas as etapas da construção de uma casa, do primeiro desenho até a entrega da chave. E a partir daí, conhecer todos os gastos extras, o que foi economizado ou quais as marcas foram utilizados.

A transação que é feita baseada em blockchain não precisa de uma supervisão chefe, o próprio software permite uma estrutura pública e controlada. Qualquer usuário pode acessar a rede para fazer consultas sobre uma negociação ou transação.

Se alguma alteração for feita depois que as informações estiverem nos blocos, os outros sistemas vão recusar automaticamente. Como os computadores são interligados e conversam entre si, todo nova transação precisa ser aprovada pela maioria. Isso minimiza os erros, a falta de informações e agiliza os processos de compra e venda, por exemplo. Graças a sua engenharia, a interação humana é praticamente eliminada.

Por que blockchain é seguro?

Pode ser considerado uma das formas mais seguras de transações. A cadeia é formada por blocos e cada um deles recebe dois códigos, conhecidos como hash. Um é responsável por identificar as informações que estão dentro daquele bloco. O outro vai reconhecer e ser reconhecido por todos os blocos anteriores .

Dessa forma, qualquer tentativa de modificar algum ponto de um determinado bloco, vai gerar um hash diferente do esperado e ela será negada pelos nodes — nome dado para o histórico completo da blockchain, que é gerado pelos computadores do sistema.

Qualquer pessoa pode rodar um full node e quanto mais PCs estiverem conectados, maior será a segurança da rede. Isso porque a única forma possível de fazer qualquer tipo de alteração é possuindo mais da metade dos nodes da rede. Só assim, o hacker poderá modificar o que quiser sem ser percebido.

Essa tática é chamada de “ataque 51%”, mas é praticamente impossível de ser realizada. Como vimos ao longo do texto, são várias máquinas conectadas e gerando registros. Para uma pessoa má intencionada invadir e adulterar o que ela quiser, será preciso identificar a maioria dos sistemas da rede e tomá-los.

Quais os desafios dessa nova tecnologia?

Um dos desafios é levar essa engenharia para fora do mundo das bitcoins. Já existem algumas soluções sendo pensadas e desenvolvidas com base no blockchain. Mas para atingir novas áreas de negócio, é preciso melhorar a padronização do uso e facilitar o acesso para pessoas e empresas.

Entidades que estão buscando superar esse desafio e que poderá servir como base para outros processos, é a Federação Brasileira dos Bancos(Febraban). Em 2016 foi criado um grupo de trabalho que tem a participação dos grandes bancos do país. O primeiro processo que está na fase de validação é a solução para verificar a segurança das transações financeiras via dispositivos móveis.

A ideia é usar a rede para espalhar para os demais bancos informações como um aparelho perdido, furtado, invadido ou qualquer outra forma ilícita que possa trazer prejuízos para os clientes. E com base nos dados registrados, informar para todos os bancos se o dispositivo usado já teve algum problema de segurança.

Mindset também é um desafio que deve ser enfrentado para a consolidação da rede nos demais negócios. Ainda existe muitos empresários que acham mais seguro e mais fácil manter um banco de dados centralizado. Será preciso investir em treinamento de pessoal e em formações para a mudança de pensamento.

Podemos notar que a blockchain é uma das formas mais seguras de fazer transações e guardar informações. Principalmente para empresas que possuem dados extremamente confidenciais, porém ainda precisa se provar para continuar ganhando espaço para ser adotado pelo público comum.

Para empresas, a tecnologia vai evitar as fraudes, diminuir a necessidade de um intermediário humano para fazer os registros, dar mais confiabilidade para os processos e otimizar os custos de armazenamento.

O que você achou do texto? Suas dúvidas de como funciona blockchain foram esclarecidas? Surgiram novas? Quer dar sua opinião sobre esse sistema? Deixe aqui seu comentário e compartilhe suas perguntas e experiências!

Fonte: Fortes Tecnologia

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn